19/06/2017 às 09h58

Brasil cai no ranking de inovação em tecnologia limpa

A principal queda foi no indicador de inovação de tecnologia limpa comercializada.

Foto: Creativeart / Freepik

O Brasil caiu cinco posições no ranking de inovação em tecnologia limpa, ficando em 30.º lugar entre 40 países analisados.

A informação está disponível na terceira edição do relatório Global CleanTech Innovation Index, do WWF. O estudo anterior havia sido divulgado em 2014.

A principal queda do Brasil foi no indicador de inovação de tecnologia limpa comercializada, em que o País passou do 2.º lugar para o 29.º.

Segundo o diretor executivo do WWF-Brasil, Maurício Voivodic, o foco no pré-sal fez com que o Brasil perdesse, nos últimos anos, espaço em biocombustíveis e outras fontes renováveis de energia.

O destaque positivo para o Brasil foi na atividade empreendedora em estágio inicial, em que o País ficou em 1.º entre os 40 países.

Isso significa que o mercado brasileiro é promissor no médio e no longo prazo, desde que haja fontes de financiamento e políticas públicas favoráveis.

O coordenador do programa Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Nahur, destaca oportunidades para o País nas seguintes áreas:

  • etanol celulósico,
  • uso de algas para produção de energia,
  • mini e microgeração de eletricidade,
  • bioquerosene para aviação, e
  • agricultura de baixo carbono

 

Cenários de inovação

As três melhores posições do índice foram ocupadas por Dinamarca, Finlândia e Suécia.

O estudo levou em conta três cenários de inovação em tecnologia limpa:

  • criadores de ecossistemas, em que se destacam países como Dinamarca, Suécia e Estados Unidos;
  • criadores de startups, como Israel, Finlândia e Canadá; e
  • comercializadores, como Alemanha, Cingapura e Coreia do Sul.

Fonte: Inova.jor

  • Escolha o que ler por assunto

Image is not available
previous arrow
next arrow
Slider